UA-39063185-1 Trocando uma ideia: Batman v Superman

"O problema não é você estar preso ,e sim o que você faz com a liberdade !!!"

Diga não ao bloqueio de blogs
"O problema não é você estar preso ,e sim o que você faz com a liberdade !!!"

Digite seu E-mail e receba as atualizações deste Blog

Você poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 10 de abril de 2016

Batman v Superman

Dirigido por Zack Snyder o novo filme da DC/WB coloca em conflito dois de seus maiores personagens das hq's. Mas não parou por aí, após a tão esperada estreia, além do conflito tradicional entre as forças do mau contra a do bem, gerou o conflito entre a crítica e a obra novamente.
A crítica não gostou do filme e ganhou alguns aliados.
Como em todos os filmes teve acertos e erros.
A visão de Snyder para o universo de Superman é ousada. moderna e se mesclou com o universo de Batman. A cidade de Metrópolis pareceia Gotham em alguns aspectos.
O filme é bom e forte quando comparamos com as antigas produções do super. Traz mudanças de etnia, morte e novos conceitos. Questiona a soberania do sobrevivente de Krypton.
Snyder entra nas mesmas questões do próximo filme da Marvel sobre os perigos de super-seres entre nós, traz a ficção questionamentos reais.
Nos acostumamos a ver na ficção grandes destruições de prédios, cidades e nações e aplaudíamos nossos heróis mas não questionávamos as consequências de tanta destruição.
E assim Batman v Superman começa, questionando e colhendo as consequências do filme anterior "Man of Stell". Um cenário que coloca em Batman a responsabilidade de zelar pela segurança também de Metrópolis.
Superman passa a ser tratado por Snyder com a interrogação sobre seus atos.
Lex Luthor não é mais o que nos acostumamos a ver, Jesse Eisenberg dá um show em um Lex psicótico como os que encontramos no asilo Arkhan.
Outra que dá um show é Gal Gadot em sua esplendida e poderosa Mulher Maravilha. Talvez sem ela, o filme perderia o glamour.
Snyder deu apenas uma boa pincelada em Flash, Ciborg e Aquaman, deixando a promessa do que pode vir.
Com roteiro de Chris Terrio, David S. Goyer, a direção de Snyder bate de frente com a crítica negativa e com possíveis mudanças na DC/WB em futuras produções. Especula-se que devido ao "fracasso"(?) já há mudanças em "Esquadrão Suicida" para algo menos sombrio e com uma pitada de humor.
A internet ficou cheia de comentários positivos e negativos, mas ficou claro que mesmo com alguns "erros" os fãs gostaram e querem mais.
Mulher Maravilha que já está sendo gravado já é uma grande espera, o que muda a rejeição de alguns quando Gal foi escolhida para o papel. Hoje a magrela maravilha superou e calou muitos em sua atuação. O mesmo para Ben Affleck que após o desastroso "Demolidor" trouxe o Batman que queríamos ver nas telonas. Henry Cavill conseguiu trazer o Superman que Snyder queria mostrar; um imigrante adotado pelo Tio Sam com seus dilemas e crises de existência, e com os marcantes problemas de adaptação e aceitação a uma nova pátria. Cavill não vem como seus antecessores, totalmente diferente do mito Crishopher Reeve, aquela figura angelical, divina e endeusada no politicamente correto.
Todos temos pontos positivos e negativos a mostrar sobre o filme, mas também reconhecemos que é um bom filme.
A DC/WB promete lançar ainda este ano DVD/Bluray versão estendida com cenas violentas que foram cortadas da edição de cinema, o que nos deixa ansiosos na espera.
Ben Affleck que após o desastroso "Demolidor" 
trouxe o Batman que queríamos ver nas telonas.

Cavill conseguiu trazer o Superman que Snyder queria mostrar; 
um imigrante adotado pelo Tio Sam com seus dilemas e crises de existência,

Hoje, Gal, a magrela maravilha superou e 
calou muitos em sua atuação.

Eisenberg dá um show em um Lex psicótico 
como os que encontramos no asilo Arkhan.

Snyder deu apenas uma boa pincelada em Flash, Ciborg e Aquaman, 
deixando a promessa do que pode vir.




Montagens feitas no The Gimp/Linux Ubuntu por Sneves para o Blog http://5n3v35.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.

.

.