"O problema não é você estar preso ,e sim o que você faz com a liberdade !!!"

segunda-feira, 13 de dezembro de 2021

A cor da conciencia

 


Não é uma história rica. Sofrimento só traz riqueza para o opressor. 

A história está lá apenas para te lembrar como chegamos aqui e para que podemos ver uma melhor forma de chegar adiante. 

O que está em ruínas não precisa ser conservado, é o interior de quem ainda se lamenta que está despedaçado. 

Uma nova história pode ser contada, talvez com um final feliz. 

Liberdade... O sonho de um aprisionado.


Um mundo onde sejamos visto, mas não julgados pela aparência.

Um mundo onde se entenda que somos da mesma raça, a humana.

Um mundo onde seja compreendido a comunhão entre irmãos.


Uma definição vazia que fica a critério de quem aborda.

Já perguntei a alguns policiais e a resposta é a mesma, vazia! Não sabem! Aprenderam assim e irão ensinar assim.

O que nos torna suspeito? 

O mesmo volume no bolso da calça, o atravessar as pressas a rua ou ficar parado na esquina, o admirar um produto na loja, o caminhar na mesma direção que alguém na rua,... O olhar e a atitude de desconfiança não é exclusivo da polícia.

Já perguntei a alguns policiais, alguns negros, quantos brancos abordaram hoje, esta semana,... Desde a primeira vez que colocaram a farda. A resposta? É vazia!

O problema não é o policial que aborda e sim uma sociedade ainda preconceituosa.  

Em minha vivência no grande centro comercial aprendi que o eu de roupa social e o eu de bermuda e chinelo não são vistos como sendo a mesma pessoa. 

A verdade que minhas vestes não muda quem eu sou, que meu gosto musical não me torna perigoso, que minhas crenças não me faz um tolo. Minha cultura é outra!

Aprendi a agradecer o título que me deram, este de elemento suspeito, pois não passei disso, apenas suspeito!

Não me corrumpi no sistema político, não pratiquei o tal de arrego, não acusei sem ter a certeza. Aqui o elemento não passará de suspeito. Aprendi que branco também rouba, se droga, traí,... Isso porque caráter vai além da aparência.O questionamento é essencial para a evolução das coisas e claro, vira problema para quem não quer essa evolução.

Ser livre também é se soltar das amarrras que este sistema político nos prende. 

As aves voam longe quando não estão dentro de uma gaiola. E essas aves são condenadas a viver presas pelo simples crime de ter um canto bonito, penas coloridas e gerar crias. É assim que o sistema político e de algumas representatividades nos tratam. Temos um cântico que os incomoda, o de liberdade e independência. Poder andar com as próprias pernas, ou melhor, voar com as próprias asas. 

Liberdade também é mérito. 

Tem coisa melhor do que com o fruto do seu trabalho ter suas conquistas? 

Melhor que depender que um governo se ache soberano para sua sobrevivência. O tal do vote em mim que faço por você tem seu lado ruim para a evolução das coisas. 

Liberdade é também se soltar das amarras de um sistema que te faz acreditar que você depende dele para ser livre. 



É ou não é um termo racista?

Uma importante empresa divulgou não utilizar esse termo por considerar desrespeitosa, ou seja, racista. 

Embora a origem da expressão não seja comprovada, também não é comprovada como racismo. 

É uma expressão que ficou famosa no comércio e tem uma história bem interessante sobre equilíbrio financeiro, onde se tenta equilibrar as contas com produtos fechando no vermelho, se promove descontos para alavancar as vendas e sair do vermelho.

Mas o mundo mudou, tá na moda lacrar. Uma nova forma de não se perder clientes, já perdendo, já que desagrada outros.

Aqui no Brasil a palavra preto e negro vira um problema na percepção de alguns. O lápis é preto pode não ser mais a cor e sim racismo. O diamante negro pode não ser o tipo de chocolate mas sim racismo. 

E a gente passa a pisar em ovos por não saber o que é e o que não é algum tipo de preconceito. Podemos ofender um negro, um gay, um religioso,... Black Friday é racismo porque alguém entendeu que sexta feira negra é um termo racista. A sexta feira pode ter qualquer cor, menos negra. Temos novembro azul, outubro rosa,... Mas um mês preto jamais, será racismo.

Sabemos que racismo existe, mas não sabemos a linha que separa um termo como sendo racista de um termo que dá nome a um lápis de cor. Regredimos!

Amanhã não vou poder dizer que tenho uma camisa preta?

... Black Friday virando problema, putzzzzzzz!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...