"O problema não é você estar preso ,e sim o que você faz com a liberdade !!!"

Digite seu E-mail e receba as atualizações deste Blog

domingo, 9 de setembro de 2018

Ultraman Cronologia M78

Ao contrário do que muitos pensam a febre por filmes e séries de super heróis é antiga.  Isso mesmo, não é modinha. Não é de hoje que estes super seres da ficção reinam nas telas do mundo.
Do outro lado do mundo surgiu um super herói que vem atravessando gerações.
Criado por Tsuburaya Productions, Eiji Tsuburaya, Tokyo Broadcasting System, série do gênero Tokusatsu. Ultraman é o super herói Japonês que por décadas conquista novos fãs.
A série surgiu em 1968. O primeiro Ultraman defende o mundo de monstros e alienígenas e divide corpo com seu alter ego Hayata. Vindo em seguida as séries de Ultraseven (1967), Ultraman Jack (1971), estes exibidos também na TV Brasileira. Daí vieram outras séries, filmes, animes, mangás e brinquedos.
A Nebulosa M78 se tornou um universo infinito.
Todo produzido em estúdio com homens fantasiados de heróis, monstros e alienígenas num cenário de maquete da cidade. Isso não mudou até hoje, mesmo com o avanço tecnológico, vemos poucos destes recursos sendo utilizados nas produções.
De lá para cá surgiram concorrentes, mas nenhum resiste até hoje como o herói da Nebulosa M78.
De 1968 para cá, 2018, são 50 anos de existência e resistência num universo que a cada momento surge novas criações. Novos heróis, novos vilões, novas histórias,... E Ultraman permanece.
Abaixo deixo a cronologia deste universo em que dividi em quatro fases.
- Ultramen's origens 1966 a 1979
Esta fase é a de origem, pode se assim dizer. Onde surgiram os primeiros Ultra. Ultraman, Seven, Jack, Ace, Taro, Leo,... Encerrando com o anime The Ultraman de 79.
- Ultraman 80 and 90 Generation 1980 a 1999
A década de 80 e 90 se tornou uma grande referência para o universo cinematográfico hoje. Vemos isso claramente nas atuais produções de Hollywood. Para a Nebulosa M78 veio referências também, o destaque fica para o Ultraman Tiga, conhecido como o primeiro Ultra azul. E também teve produções estrangeiras. Começou com Ultraman 80, seguido pela série do Great produzido na Austrália. Powered, produzido nos EUA. Em Zearth, a produção volta a ser Japonesa. Tiga, o primeiro Ultra azul também vem para mostrar mudanças. Entre tantas inovações nestas duas décadas, vieram também nas séries de Dyna, Gaia e Nice, trazendo novos personagens.
- Ultraman Millennium 2000 a 2009
Um novo milênio, assim anunciado a uma geração que testemunhou que o mundo não acabou. Pelo contrário, aqui começa uma continuidade do que havia sendo produzido desde 1968. Novas histórias, novos personagens e a visão do quão é infinito o universo dos Ultra. Os novos filmes e séries vem com poucos avanços tecnológicos. Os ultra Neos, Cosmos, Nexus, Next (este consegue trazer uma história mais madura e efeitos mais consideráveis), Max, Mebius e Ultraseven X (que também consegue trazer uma boa história, mas não os efeitos que esperávamos).
- Ultraman New Generation 2010 a 2017
O que classifiquei como nova geração, é esta a nova proposta das produções. Com todo avanço tecnológico que vemos no mundo e comparando com o mercado de entretenimento americano, não vemos muitos avanços nos efeitos das produções, que não são tão Ultra. A Nebulosa M78 em suas produções ficam explícitas como um mercado para vender brinquedos. Os acessórios dos personagens são voltados para vender algo além das séries. Qual criança japonesa não quer o jogo de cartas dos Ultra?
Essa nova geração é marcada pelo Ultraman Zero, que passa a ter importância nas demais produções. A primeira série desta nova geração é, claro, o importante Ultraman Zero. Daí seguimos com Saga, Ginga, Victory, X, Orb e recentemente Geed. Este último mostra que de 1968 para cá algumas coisas não avançaram, pelo contrário, pararam no tempo. Por enquanto fica o sonho dos fãs de poder ver uma produção tipo MCU (o tão maravilhoso universo cinematográfico da Marvel) e das séries de heróis Americanas.
Está prevista uma série animada para 2019 pela Netflix. Uma produção que pode trazer algo diferente e ousado se tivermos ali o perfil Netflix de produção.

Cronologia M78:

- Ultramen's origens 1966 a 1979:
Ultra Q (1966)
Ultraman (1966)
Ultraseven (1967)
Ultraman Jack (1971)
Ultraman Ace (1972)
Ultraman Taro (1973)
Ultraman Leo (1974)
The Ultraman (1979) - Anime

- Ultraman 80 and 90 Generation: 1980 a 1999
Ultraman 80  (1980)
Ultraman USA (1989) - Filme/Anime
Ultraman Great (1990) - Co-produção australiana
Ultraman Powered (1993) - Co-produção norte-americana
Ultraman Zearth (1996) - Filme
Ultraman Tiga (1996)
Ultraman Dyna (1997)
Ultraman Gaia (1998)
Ultraman Nice (1999) - Comerciais

- Ultraman Millennium 2000 a 2009:
Ultraman Neos  (2000) - Direto para vídeo
Ultraman Cosmos (2001)
Ultraman cosmos the blue planet (2002) - Filme
Ultraman cosmos the blue planet 2 (2003) - Filme
Ultraman Nexus (2004)
Ultraman The Next (2004) - Filme
Ultraman Max (2005)
Ultraman Mebius e Ultra Brothers (2006) - Filme
Ultraman Mebius (2007) - Série
Ultraseven X (2007)
Ultra Galaxy (2007)
Ultra Galaxy Mega Monster Battle: Nerver Ending Odyssey (2008)
The Super 8 Ultra Brother (2008) - Longa metragem
Ultraman Mebius Ghosth Rebirth (2009) OVA estagios 1 e 2
Mega Monster Battle: Ultra Galaxy Legends The Movie (2009) - Filme

- Ultraman New Generation 2010 a 2017:
Ultraman Zero The Movie: Super Decisive Battle! Belial´s Galactic Empire (2010) - Longa metragem
Ultraman Zero VS DarkClops (2010) OVA estagios 1 e 2 (2010)
Ultraman Saga (2012)
Ultraman Ginga (2013)
Ultraman Ginga S (2014)
Ultraman Fight Victory (2015)
Ultraman Ginga 10 Guerreiros Ultras (2015)
Ultraman X (2015)
Ultraman X O Filme (2016)
Ultraman Orb (2016)
Ultraman Geed (2017)

sábado, 1 de setembro de 2018

Voto nulo, voto em branco

Eles dizem que não sabemos votar.
Sabemos sim.
Somos intimados a votar. Na tal festa da cidadania o nosso direito é um dever.
Voto nulo e em branco é manifestação consciente sobre política. Já avaliamos e não acreditamos mais neste sistema, nas propostas dos partidos e menos ainda na conduta dos candidatos apresentados.
É a tal história da confiança que se quebra.
Dizem que perdemos o direito de reclamar por anular o voto.
Mito!
Obrigatoriamente nos apresentamos nas urnas para votar, assim como podemos justificar. Optamos por votar nulo ou em branco.
Direta ou indiretamente fazemos parte do processo político do país.
Portanto temos o mesmo direito de qualquer cidadão de reclamar.
Desta forma, é nosso protesto. Sem queimar ônibus, sem destruir a cidade,...
Estamos afirmando que este sistema está corrompido.
Ao contrário do que alguns acreditam tanto o voto nulo como o voto em branco não contabilizam para os candidatos e nem para os partidos.
Também é outro mito que em porcentagem elevada anula as eleições.
Mito!
Voto nulo anula o voto, não anula a eleição.
...e dizem que não sabemos votar.
Não há formação pedagógica que ensina a votar.
O país aprende e ensina a votar na raça.
Alguém ensina que o candidato tal é o ideal.
O professor entra na sala de aula e diz para o aluno que sua família não sabe votar, que o candidato ideal é o dele (o professor).
É assim que se aprende a votar neste país.
Nesta brincadeira, minha geração foi ensinada a votar no menos pior.
Não sei se choro ou agradeço.
Se choro pela roubalheira generalizada que vemos hoje.
Se agradeço a Deus, pois votamos no menos pior... E por isso a coisa não está tão feia.
Em resumo:
Não importa em quem você vota, Odebrecht sempre ganha!

Você poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...